Coleta seletiva, descarte e reciclagem de resíduos de madeira da construção civil

A empresa Comercio de Ferro Nossa Sra. da Piedade executa o serviço de Coleta seletiva, descarte e reciclagem de resíduos de madeira de obras da construção civil,  para todo o estado do Rio de Janeiro – RJ

Coleta seletiva, descarte e reciclagem de resíduos de madeira da construção civil definição: 

O emprego da madeira na construção civil, feito na forma de elementos temporários como fôrmas, escoramentos e andaimes, ou na forma de elementos definitivos como estruturas de coberturas, forros, pisos, esquadrias e acabamentos, gera grande quantidade de resíduos, principalmente considerando que todos os elementos temporários serão posteriormente descartados.

Os resíduos de madeira representam cerca de 31% de todo o volume de resíduo de construção gerado numa obra de um edifício residencial. Se considerada somente a fase de execução estrutural, podem chegar a representar 42% dos resíduos gerados durante o processo em questão.

Apesar de existirem diversas opções para destinação desses resíduos de madeira, muitas vezes a destinação mais adequada não é realizada por ser inviável financeiramente, por problemas de logística ou até por falta de tecnologia para tornar a ideia de destinação viável, resultando numa grande quantidade de resíduos descartada sem tratamento adequado ou sem nenhum tratamento.

Atualmente, com o aumento das demandas ambientais e de ações fiscalizatórias, é bastante comum que as construtoras destinem os resíduos de madeira de suas obras como fonte de energia, por exemplo, para queima em olarias. Há casos em que tais resíduos são destinados para queima em pizzarias, restaurantes ou fábricas de alimentos.

Mas muito cuidado, pois na construção civil, muitos resíduos de madeira gerados estão contaminados por outros materiais tais como: Tintas, graxas, pregos, parafusos e plásticos. Dessa forma, a complexidade em qualificar os contaminantes presentes no material dificulta o processo de beneficiamento, reutilização ou reciclagem. Para amenizar o problema que esses resíduos representam ao meio ambiente, é necessário propor maneiras eficientes de gerenciamento e reaproveitamento.

A utilização de madeira na construção civil, segundo dados do Guia BR 2011 da WWF Brasil editado em parceria com o SindusCon SP, grande parte da madeira tropical produzida na região amazônica termina nos canteiros de obras das construtoras. São aproximadamente, 15 milhões de m3 por ano, o que representa algo em torno de 600 mil caminhões/ano carregados de madeira.

Dentre os estados brasileiros, São Paulo destaca-se como o maior consumidor, com mais de 2,5 milhões de m³ (volume equivalente em toras) anuais. O Estado é responsável pelo consumo de 15% do total produzido na região amazônica. O Guia ressalta ainda que, diferentemente dos outros países produtores, cuja grande maioria tem no mercado externo a sua grande clientela, no Brasil, de 70% a 80% da produção de madeira amazônica é consumida internamente.

A construção civil tem crescido e, com isso, participado fortemente do aumento da geração de resíduos. O que, de fato, incrementa o mercado em diversas perspectivas. Inclusive na coleta seletiva e reciclagem de resíduos de madeira.

Coleta seletiva, descarte e reciclagem de resíduos de madeira da construção civil

A empresa Comercio de Ferro Nossa Sra. da Piedade executa o serviço de Coleta seletiva, descarte e reciclagem de resíduos de madeira de obras da construção civil,  para todo o estado do Rio de Janeiro – RJ

coleta-seletiva-descarte-e-reciclagem-de-residuos-de-madeira-de-obras-da-construcao-civil-1

Coleta seletiva, descarte e reciclagem de resíduos de madeira da construção civil definição:

O emprego da madeira na construção civil, feito na forma de elementos temporários como fôrmas, escoramentos e andaimes, ou na forma de elementos definitivos como estruturas de coberturas, forros, pisos, esquadrias e acabamentos, gera grande quantidade de resíduos, principalmente considerando que todos os elementos temporários serão posteriormente descartados.

Os resíduos de madeira representam cerca de 31% de todo o volume de resíduo de construção gerado numa obra de um edifício residencial. Se considerada somente a fase de execução estrutural, podem chegar a representar 42% dos resíduos gerados durante o processo em questão.

Apesar de existirem diversas opções para destinação desses resíduos de madeira, muitas vezes a destinação mais adequada não é realizada por ser inviável financeiramente, por problemas de logística ou até por falta de tecnologia para tornar a ideia de destinação viável, resultando numa grande quantidade de resíduos descartada sem tratamento adequado ou sem nenhum tratamento.

Atualmente, com o aumento das demandas ambientais e de ações fiscalizatórias, é bastante comum que as construtoras destinem os resíduos de madeira de suas obras como fonte de energia, por exemplo, para queima em olarias. Há casos em que tais resíduos são destinados para queima em pizzarias, restaurantes ou fábricas de alimentos.

Mas muito cuidado, pois na construção civil, muitos resíduos de madeira gerados estão contaminados por outros materiais tais como: Tintas, graxas, pregos, parafusos e plásticos. Dessa forma, a complexidade em qualificar os contaminantes presentes no material dificulta o processo de beneficiamento, reutilização ou reciclagem. Para amenizar o problema que esses resíduos representam ao meio ambiente, é necessário propor maneiras eficientes de gerenciamento e reaproveitamento.

A utilização de madeira na construção civil, segundo dados do Guia BR 2011 da WWF Brasil editado em parceria com o SindusCon SP, grande parte da madeira tropical produzida na região amazônica termina nos canteiros de obras das construtoras. São aproximadamente, 15 milhões de m3 por ano, o que representa algo em torno de 600 mil caminhões/ano carregados de madeira.

Dentre os estados brasileiros, São Paulo destaca-se como o maior consumidor, com mais de 2,5 milhões de m³ (volume equivalente em toras) anuais. O Estado é responsável pelo consumo de 15% do total produzido na região amazônica. O Guia ressalta ainda que, diferentemente dos outros países produtores, cuja grande maioria tem no mercado externo a sua grande clientela, no Brasil, de 70% a 80% da produção de madeira amazônica é consumida internamente.

A construção civil tem crescido e, com isso, participado fortemente do aumento da geração de resíduos. O que, de fato, incrementa o mercado em diversas perspectivas. Inclusive na coleta seletiva e reciclagem de resíduos de madeira.